Terra


Se fosse sombra procurava terra


Como alimento seria flor

Do meu branco jorrava roxo


Não há fruto sem amor
Para mim a semana só fez sentido quando hoje ao fim da tarde o M. foi levar umas alfaces que ele ajudara a plantar à avó I. Este foi um momento muito aguardado e planeado nas últimas semanas. Para que sentisse o valor do trabalho lembrei-lhe que poderia tentar vender aquilo que tinha plantado e ele adorou a ideia. A partir desse dia que planeia o que vender e por quanto! Aceitou que 50 euros não era o preço mais atractivo e deciciu cobrar 50 cêntimos por alface tal como fazem os senhores da feira. Que orgulhoso e feliz estava quando recebeu as moedas na mão! E a minha mãe, emocionada com a visita e com tanta generosidade acenava do portão: - Vale ouro!
E vale.

1 comentário:

Sara disse...

que texto tão bonito! eu também quero uma alface plantada pelo miguel... que lindo, ele fê-la nascer! vai ser um adulto muito bonito, com esta infância assim. beijinhos a todos