Paris

Paris Paris Paris Paris



Em Julho fomos a Paris. Quisemos fazer uma surpresa aos filhos e conseguimos até ao último momento. Só em frente ao aeroporto, quando viram malas a sair da bagageira do carro é que perceberam que algo estava prestes a acontecer. Foi difícil aguentar tanto tempo calada, eu que dou as prendas de natal muito antes do natal chegar, fiz tudo como uma verdadeira profissional da surpresa. Tudo foi organizado em segredo, as malas feitas enquanto dormiam, uma mentirinha inofensiva de manhã para os arrancar da cama e lá fomos. Direitos à Disneyland Paris. Felizmente, um pequeno lapso levou-nos a Paris, antes de voltar a casa.
Sobre a máquina Disney, um dia ainda aqui falarei da minha experiência, de como as minhas fracas expectativas conseguiram ainda assim ser surpreendidas, pela negativa. Os miúdos gostaram, claro, e eu espero não ter sido muito chata.
Quanto a Paris, deve ser saboreado com tempo, com calma e já agora com um je ne sais quoi de elegância, ingredientes que não levávamos connosco, infelizmente. Ficámos a dormir num apartamento muito simpático (e muito quente) a meia hora da cidade, que é como quem diz a uma a duas horas de transportes públicos. Muito calor. O calor do dia mais quente do verão alentejano dentro de uma cidade cheia de gente, com chão de um pó branco que parece querer mandar todos aqueles milhares de turistas de volta para as suas terras. Estou a falar de um chão impróprio para pés de chinelo que caminham quilómetros desde o Louvre até à Torre Eiffel com duas crianças atrás, debaixo de um sol abrasador. Crianças essas que adoraram a Torre, e eu que não fazia ideia que também ia gostar tanto! É bonita, sim senhora!
Tivemos o prazer de ver Eric Van Osselaer tocar, genialidade e simpatia em pessoa. A senhorita Alecrim fez o seu retrato que eu acho tão genial quanto o original.
Gostei dos parisienses, atenciosos (eu sei, eu sei, mas connosco foram sempre!), charmosos, da sua elegância, da perfeição do minimalismo delas e da discreta extravagância deles, da cultura que sai pelos poros de cada parede. Vi uma cidade instruída, culta, apreciadora das coisas boas da vida. Mas também vi o que a maioria dos turistas não vê por não ficar num apartamento a meia hora da cidade, que é como quem diz uma a duas horas de transportes públicos. Vi os subúrbios. E esses, são tão sujos quanto os nossos.

Para mim, Paris deve ser sorvido aos poucos. Talvez lá volte um dia.

3 comentários:

Ana Raquel disse...

A minha mais velha pede p ir à Disney mas ainda nunca fomos.

trapos a voar disse...

Nós fomos à Disney em Novembro, há dois anos. Com frio, alguma chuva, mas pouquíssimas pessoas. Acho que fomos na melhor altura. Nunca apanhámos uma fila para uma atracção ou para um restaurante. Confesso que a determinada altura os rapazes me conseguiram contagiar com o seu entusiasmo. O universo da Disney também fez parte da minha infância. À cidade, que fiz questão de mostrar, fomos numa manhã , mas a correr. Querem voltar, mas quando forem mais crescidos. Eu quero sempre voltar! Adoro Paris ! A Disney ficou vista!

Magda E. disse...

Quero muito voltar... passaram muitos anos desde a 1ª/única vez que lá estive... e até tenho um primo a morar a uns minutos da Disney e tudo que nos diz sempre para o irmos visitar. Em breve.. espero!