Janeiro

Janeiro Janeiro Janeiro Janeiro Janeiro

Ainda a tentar apanhar a carruagem de 2016, eu que gosto tanto da ideia de começar um novo ano, um novo ciclo, um novo eu, um novo nós... desta vez não pedi grandes desejos, são cada vez menos de ano para ano. Saúde, amor, alegria de viver é tudo do que me lembro quando chega a altura de comer as passas. Desta vez terminámos o ano com uma perda grande, o avô holandês que tanta falta vai fazer... connosco fica o seu sorriso sempre presente, a sua alegria, o seu sentido de humor e de amor. 
Assim, o ano começa lentamente, passo a passo, mas a verdade é que ainda não o sinto. 
Lá fora, nasceu a rosa que graças a estas manias de registar estes momentos, percebi que nasce sempre em Janeiro, por volta do mesmo dia. Nestes dias cinzentos, esta pequena e solitária rosa nasce com o seu aroma doce e diz-me que a vida nunca acaba, que mantenha a esperança, que continue. Pensar que a salvei do lixo, dada como morta, porque acreditei nela - e agora ela agradece-me assim, todos os anos.
É bom voltar aqui. É bom continuar. 

6 comentários:

Isilda disse...

E é bom ter-te por aqui:-))
Beijinho de Bom Ano!

Virgínia Otten disse...

Obrigada, Isilda. Vou fazer por voltar mais vezes :)

Anónimo disse...

Lindas fotografias e sempre lindos textos. Obrigada por isso e muita força nessa vossa perda... Eu já perdi os meus avós há uns anos, mas esse vazio nunca acaba, atenua mas está sempre lá!
Beijinhos e bom ano.
CR

Virgínia Otten disse...

Eu também já perdi os meus, Gerusa! embora estejam sempre comigo :) Um beijinho!

marlene gomes disse...

Que bom ler-te minha querida amiga! ❤️

Virgínia Otten disse...

Olá Marlene! :)