tricotando

tricotando
tricotando

Em 2009 (há sete anos!), um grupo de amigas juntava-se à volta de uma mesa para aprender a tricotar meias. Quem ensinava era a Zélia e a aula estendeu-se de manhã à noite, no meio de boa conversa, boa comida, boas pessoas. Custa a crer que já se passaram sete anos! Sinto saudades de muitas daquelas mulheres.
A verdade é que não pratiquei o suficiente para perder o medo das cinco agulhas. Mais uma vez, não acredito que se passaram sete anos. Mas não me dei por rendida. Eu hei-de aprender a fazer meias. Por isso inscrevi-me num workshop na bonita The Craft Company, desta vez para aprender a tricotar as meias com a técnica do magic loop. 
Já em casa, a preparar o trabalho para a aula seguinte, atrapalhei-me um pouco e acabei por desmanchar. Esta técnica permite fazer as duas meias ao mesmo tempo, o que é perfeito, mas por agora, que ainda estou a dar os primeiros (segundos) passos, fico-me por uma de cada vez. Está cheia de imperfeições, coitada, mas já a vejo como a minha meia preferida para todo o sempre.

A Terapia do Tricot já chegou cá a casa e mal posso esperar por começar a trabalhar com ele! :)



o homem que plantava árvores



Esta semana dei por mim a comprar uma mão cheia de livros. Tinha prometido a mim mesma que não compraria (nem sequer traria emprestado) mais livros antes de ler todos os que tenho. Pois. Mas a verdade é que os gostos mudam connosco, e ainda bem, e a vida é curta demais para nos impormos tantas regras, ainda que certíssimas. 
Noto que deixei de ter paciência para muita coisa - são os 40 a bater à porta - e no que toca a livros, também. Gosto de contos, que me cativem logo, que me levem em pouco tempo para um lugar só nosso, tão directos quanto profundos, inspiradores. Se me conquistarem, leio-os de uma ponta à outra, chego ao fim e volto ao início.  Foi o que aconteceu com " o Homem que Plantava Árvores". Comprei-o para o M., que lia muito até lhe chegar um telemóvel com acesso à internet às mãos - dilema dos nossos dias, creio não estar sozinha nisto - na esperança de, por ser um livro que se lê facilmente de uma só vez, ele não o pôr de lado, à espera. Eu já o tinha lido duas vezes, e ele, leu-o logo naquela noite. Não teve o mesmo impacto nele que teve em mim, claro, mas gostou e sei que um dia é capaz de o voltar a ler. 
Eu gostei muito. É uma história delicada, profunda, inspiradora. Curiosamente, tive que me certificar várias vezes de que o autor era francês e não japonês. Senti-me num velho conto oriental, como aqueles que lia em criança.
Encontrei este vídeo e achei que poderiam gostar. Bom fim de semana, com muitos livros por perto!



a meu lado

aqui a meu lado aqui a meu lado aqui a meu lado aqui a meu lado aqui a meu lado

Caminhar. Dar horizonte à alma. Deixar que o sol, tão longe, nos toque. Andar até nos esquecermos que andamos, deixando que as pernas pensem por si, tal como as mãos habituadas a um ofício. Olhar até perdermos o ser que olha, quase. 
Assim se recupera a saúde, um pouco cada dia. E eu estou grata por o ver melhorar, a meu lado.

olhar o mar

olhar o mar olhar o mar olhar o mar olhar o mar

Há quem não perceba esta mania do português parar em frente ao mar e deixar-se ali ficar, a olhar. Eu acho que olhar o mar lava a alma, limpa a mente, dá saúde. E eu vou obrigar-me a saudá-lo todos os dias, já que o tenho aqui tão perto. 
Em Janeiro já não são só as gaivotas que se ouvem, as árvores enchem-se de pássaros que nos acordam para um novo dia. Se eles soubessem o bem que me fazem!

Janeiro

Janeiro Janeiro Janeiro Janeiro Janeiro

Ainda a tentar apanhar a carruagem de 2016, eu que gosto tanto da ideia de começar um novo ano, um novo ciclo, um novo eu, um novo nós... desta vez não pedi grandes desejos, são cada vez menos de ano para ano. Saúde, amor, alegria de viver é tudo do que me lembro quando chega a altura de comer as passas. Desta vez terminámos o ano com uma perda grande, o avô holandês que tanta falta vai fazer... connosco fica o seu sorriso sempre presente, a sua alegria, o seu sentido de humor e de amor. 
Assim, o ano começa lentamente, passo a passo, mas a verdade é que ainda não o sinto. 
Lá fora, nasceu a rosa que graças a estas manias de registar estes momentos, percebi que nasce sempre em Janeiro, por volta do mesmo dia. Nestes dias cinzentos, esta pequena e solitária rosa nasce com o seu aroma doce e diz-me que a vida nunca acaba, que mantenha a esperança, que continue. Pensar que a salvei do lixo, dada como morta, porque acreditei nela - e agora ela agradece-me assim, todos os anos.
É bom voltar aqui. É bom continuar. 

Boas Festas!

boas festas! boas festas! boas festas! boas festas! boas festas! boas festas!

A todos os que por aqui costumam passar, os que aqui deixam palavras amigas, os que me escrevem cartas bonitas, os que pensam no meu trabalho quando procuram algo especial, os que coleccionam bonecos Amo-te Mil Milhões e voltam sempre, e elogiam sempre, e incentivam sempre a continuar... desejo um Feliz Natal e um Próspero Ano Novo!

Esta é a última lebre do ano, acabou de nascer e está disponível.*
Agora vou fazer os presentes para a família - sim, porque há pessoas que deixam as prendas por fazer a poucos dias da véspera de natal!

Boas Festas!!

 * (a lebre já encontrou nova casa!)

XmaS bOy HaRe

XmaS bOy HaRe XmaS bOy HaRe XmaS bOy HaRe XmaS bOy HaRe XmaS bOy HaRe

Nasceu numa tarde solarenga mas assim que o sol se pôs pediu-me um agasalho e ficou ali quieto à espera de um calor especial. 
- " Calor humano?", perguntei-lhe.
- " Calor de colo", respondeu, sorrindo.