roupa para bonecas

roupas para lebres roupas para lebres roupas para lebres roupas para lebres

"Querida Virgínia,

Para o caso de já não se lembrar de mim, sou a mãe que encomendou aquela a que chamou de "lebre de dezembro", em 2012, e que neste momento dorme embalada nos braços da minha filha. Tal como acontece todos os dias, desde então. :)"

São cartas como esta (posso chamar-lhe carta, não posso?) que me dizem que o trabalho que criei para mim é real e tem muito valor. Passados oito anos a fazer bonecos e a escrever para o universo, ainda não sei bem o que dizer quando me pedem a profissão. Falta-me a palavra certa que diga tudo o que faço. Quanto a mim, não são os nossos filhos que terão novas profissões, nós já as temos e precisamos de nomes apropriados. E "mãe a tempo inteiro artesã nas horas vagas e blogger em regime voluntário" não cabe no papel. 

A mãe da menina que dorme agarrada à lebre desde 2012 pediu-me umas roupinhas e aqui estão elas. Espero que brinquem muito.

lebre

lebre lebre lebre

Esta lebre já tinha feito parte de uma sessão fotográfica mas ainda não estava acabada. Assim que vestiu a saia largou a correr para os braços da sua nova dona. Pelo que sei, está feliz. :)

Uma salva de palmas à senhorita Alecrim que acompanha o nascimento de todos estes bonecos, respeitando o facto de não serem para ela, deixando-os ir em paz, esperando pacientemente pelo dia em que a mãe terá tempo para fazer (mais) um para ela. 


babete

babete babete

A senhorita Alecrim está crescida e precisava de um babete maior para levar para a escola. Fiz-lhe um, em tecido plastificado. Gostei tanto de o fazer que fiz logo outro, ligeiramente diferente, com fita de viés numa outra cor. Mede aproximadamente 28 x 28 cm e está disponível. Espero que gostem.

entrevista no PinkNounou

brincar brincar brincar brincar

A Ana, do blog PinkNounou convidou e eu respondi. Gosto da oportunidade que uma entrevista como esta nos dá de olhar para a nossa vida de fora para dentro. Se há dias em que vejo a vida passar a correr e desespero  tentando fazê-la abrandar para que todos se sintam donos do seu tempo e dele possam desfrutar, há outros, como aquele em que fui em busca de fotografias para ilustrar esta entrevista, em que me apercebo que feitas as contas nós, aqui em casa, estamos muito perto de ter a vida que eu idealizo. Só precisava de mais umas dez horas por dia (e para isso vou tentar começar a deitar cedo e cedo erguer).

Mãe Canguru

Cangurus Cangurus Cangurus

Tenho estado as duas últimas semanas de volta destas meninas. Foi um pedido especial, que decidi fazer num tecido que nunca tinha experimentado. Confesso que não sei se voltarei a trabalhar com ele porque embora seja muito macio e agradável ao tacto, é muito diferente daqueles a que estou habituada.
Fazer uma canguru já estava na minha lista de bonecos a testar por isso tive que dizer que sim à proposta que surgiu. E ainda bem que o fiz porque se até então o canguru era aos meus olhos um animal estranho (não consigo gostar de caudas), hoje até o acho elegante. Foram tantos os desenhos que rabisquei que passei a percebê-lo melhor. O canguru é um animal fortíssimo (não confundir com aqueles que mal vemos no Jardim Zoológico), imponente mas também é um mamífero que transporta a cria, protegendo-a até esta estar pronta para a vida. E quem não se identifica com isso?
Antes deste fiz um outro, que fica para mim e agora tenho que fazer mais um para a menina cá de casa, que os adorou.

E é assim que os bonecos Amo-te Mil Milhões são feitos, com grande dedicação e cuidado, nos intervalos da vida de mãe. 

mini mantas de mini retalhos


mini mantas
mini mantas

mini mantas mini mantas
mini mantas mini mantas

Por aqui tem estado muito frio. Lebre que é lebre aguenta qualquer intempérie mas estas, muito mimadas, pediram mantas novas para passar os dias mais bem dispostas. 
Feitas com pequenos retalhos de tecidos de algodão, medem 32x30 cm aproximadamente e estão prontas para quem quiser aquecer as lebres e outras bonecas lá de casa. 

dias

dias dias

Os dias passam, eu passo, a vida passa. E eu quero agarrá-la, mostrar-lhe que sou eu que mando, que uma pessoa não chega à idade adulta para isto mas sinto-me derrotada. A vida é quem manda. As carruagens passam por mim a correr, eu aceno com um sorriso esforçado e volto ao que estava a tentar fazer, seja lá o que isso era. Quando me lembro dou umas palmadinhas no ombro, digo a mim própria que o que faço não é para fracos, tomo um chá preto e volto ao que estava a fazer, seja lá o que isso era.
Na agenda, ainda a do ano que já passou, anoto projectos, listas de afazeres, encomendas que vão chegando. São os meus segundos de mulher empresária. Gosto. Mais uma palmadinha no ombro, o tempo é sábio, a altura vai chegar e volto ao que estava a fazer, seja lá o que isso era.

E é isto que vim cá fazer, desabafar um bocadinho e ver se retomo o ritmo, que tudo isto me faz falta e me faz feliz e já vou a sentir-me um bocadinho melhor.