Trapos


Ontem fui visitar a avó. Levei-lhe um lanche mas não encontrei lobo pelo caminho... Lá estava ela, sempre atarefada nas suas mais curiosas missões criativas. Desta vez havia uma poltrona em cima da mesa da cozinha virada de pernas para o ar - já estava na hora de a estofar.

E quem tem uma avó como a minha sabe que o melhor de tudo nestas visitas é que vem para casa com as mãos cheias. Ela, antiga costureira e eu, aprendiz nas ciências dos trapos damo-nos muito bem. Os seus quartos vão aparecendo mais arrumados, os meus vão ficando mais pequenos.

2 comentários:

Inês disse...

Já não tenho avós há muito tempo. Nem avôs. O meu avô fazia-me fisgas. A minha avô queria os meus dentes de leite para os pôr num fio de ouro que ela usava. Era muito pequena e tenho pena que não me tenham acompanhado durante mais tempo. Tenho inveja de ti :) Para além de teres uma avó, parece ser tudo o que as avós devem ser.

Sara disse...

o que eu me ri a ler isto!!! já estava na hora!! hahah é MESMO assim! a avó não pára! e ainda bem, quando for avó quero ser como ela (mas já agora, mais saudável, se puder ser hhihi). opá, está adorável o teu blog!!! é bom valorizar as coisas em tempo! beijinhos com carinho